17 julho 2017

A diferença

“Há uma diferença entre amar os homens em Deus e amar a Deus nos homens. Os dois amores são a mesma coisa: São caridade, que tem Deus por objeto e que, nos dois atos, O atinge diretamente. Há, contudo, uma significativa diferença de ênfase, uma diferença de ‘foco’, que dá aos dois atos um caráter diverso. A vida em que nós amamos Deus nos homens é necessariamente uma vida ativa. Mas a contemplativa ama os homens em Deus.”
(Verus, 2003), pág. 150


The difference

 “There is a difference between loving men in God and loving God in men. The two loves are the same: they are charity, which has God for its object and which, by either act, attains directly to Him. Yet there is a significant difference in emphasis, a difference of ‘focus’ that gives these two acts a different character. A life in which we love God in men is necessarily an active life. But the contemplative loves men in God.”
No man is an island,
 (Harvest Book, 1995), p. 193

La diferencia

 “Hay una diferencia entre amar a los hombres en Dios y amar a Dios en los hombres. Ambos amores son la misma cosa: son caridad, que tiene a Dios por objeto y que, en los dos actos, Le alcanza directamente. Sin embargo, hay una significativa diferencia de énfasis, una diferencia de ‘foco’, que da a los dos actos carácter diverso. La vida en la cual amamos a Dios en los hombres es necesariamente vida activa. Pero la contemplativa ama a los hombres en Dios.”
Los hombres no son islas,

Traducción – SAFTM Brasil 150

10 julho 2017

Sem objeções

“Esta tarde, durante cerca de uma hora e meia, suspendi tudo, esqueci tudo, e fiquei em companhia de Deus; primeiro fora e depois dentro da igreja. Todas as coisas que me têm preocupado desapareceram até a hora das Vésperas. Assim que comecei a cantar, voltaram. Mais uma vez me senti irritado com o coro, com o trabalho que estou fazendo e com todas as coisas em geral, e voltei ao velho refrão de me tornar eremita. As distrações me aniquilam desde o momento em que o sino toca chamando para o ofício, abrimos os livros e ficamos prontos à espera de começar. Contudo, se ficar pasmado ali no coro, em confusão, resultar na maior glória de Deus, não faço objeções.”
(Mérito, 1954), pág. 69


________________________

No objection

 “For about an hour and a half this afternoon I just shut up and forgot everything and stayed with God, first outside the church and then inside it. All the things that had been bothering me vanished until Vespers. As soon as I started to sing, everything came back. I was once again irritated with the choir and with the work I am doing and with everything in general and went back to the old refrain about being a hermit. Distractions overwhelm me as soon as we open the books and stand there ready to sing. However, if it gives God glory for me to stand there in confusion, I have no objection.”
The sign of Jonas,
 (Harvest Book, 1981), p.56

Sin objeciones

 “Esta tarde, durante cerca de hora y media, lo suspendí todo, me olvidé de todo, y permanecí con Dios, primero fuera y luego dentro de la iglesia. Todas las cosas que me habían estado molestando desaparecieron hasta Vísperas. Apenas me puse a cantar, volvió todo. Una vez más, me sentí irritado con el coro, con el trabajo que estoy haciendo y con todo en general, y volví al viejo refrán de hacerme eremita. Las distracciones son abrumadoras desde el momento en el que suena la campana llamando al oficio, abrimos los libros y nos preparamos para cantar. Sin embargo, si quedarme yo allí turbado le da gloria a Dios, no tengo objeciones.”
El signo de Jonás,
Traducción SAFTM - Brasil


03 julho 2017

Momentos de crise

“É demasiadamente fácil atravessar a vida com liberdade indolente e adormecida, que se assemelha a uma lâmpada sem óleo – uma lâmpada que não ilumina quando se precisa de luz.

Temos mais necessidade de ter a luz acesa em nosso espírito pelo Espírito de Jesus quando ouvimos o grito: ‘eis o Esposo’. E Ele vem, não só no fim dos tempos, na Parusia, mas também em momentos imprevisíveis em nossa vida particular – momentos de crise, quando somos providencialmente chamados a nos ultrapassar e a nos apressarmos rumo à plena realização de nosso destino pessoal.”
(Agir, 1966), pág. 173-174


____________________________

Moments of crisis

"It is all too easy to go through life with a supine and slumbering liberty that is like a lamp without oil –a lamp that does not give light when it is needed.
We most need the light enkindled in our spirit by the Spirit of God when the cry goes up “the Bridegroom comet.” And He comes not only at the end of time, at the Parousia, but also at unpredictable moments in our own individual lives –moments of crisis, when we are providentially summoned to surpass ourselves,  and press onward to the fulfilment of our own personal destiny."
The New Man,
(Burns & Oats, 1976, p.160)


Momentos de crisis

“Es demasiado fácil ir por la vida con una libertad indolente y adormilada, que es como una lámpara sin aceite –una lámpara que no alumbra cuando se necesita luz.
Cuando más necesitamos que el Espíritu de Jesús tenga encendida la luz en nuestro espíritu es cuando oímos el grito: ‘Ya viene el Esposo.’ Y Él viene, no solo en el fin de los tiempos, en la Parusia, sino también en momentos imprevisibles en nuestras vidas individuales –momentos de crisis, en los que somos providencialmente emplazados a superarnos y presionados para el cumplimiento de nuestro destino personal.”
El hombre nuevo,

Traducción SAFTM - Brasil

26 junho 2017

Pensamentos

"Nossa mente se assemelha aos corvos: apodera-se de tudo o que brilha e não se importa com o desconforto em nossos ninhos com todo aquele metal."
Fissus, 1999 - Pag. 107


________________________

Thoughts

Our minds are like crows. They pick up everything that glitters, no matter how
uncomfortable our nests get with all that metal in them.

New Seeds of Contemplation 
New Directions Books, 2007, p.104

Pensamientos

Nuestras mentes son como cuervos. Recogen todo cuanto brilla, sin tener en
cuenta lo incómodos que se hacen nuestros nidos con todo ese metal en ellos.

Nuevas semillas de contemplación 

E.D.H.A.S.A., p. 94 107

19 junho 2017

Numa noite escura

“Nossa tragédia consiste em que apesar de vermos claramente a futilidade do que desejamos, continuamos a desejá-lo só por causa do desejo. A paixão passa a ser o nosso prazer, e a razão seu instrumento. Sua função pervertida será, então, criar ídolos, isto é, ficções, a que podemos dedicar a adoração do amor e do ódio, a alegria e a angústia, a esperança e o terror.
Desse cativeiro não há libertação natural. A própria razão, capaz de livrar-se, passa de fato a devotar-se ao serviço da paixão, e isso é o pecado original. Só a fé e a graça, só a irrupção do sobrenatural em nossa vida pode fazer que a razão quebre as teias da paixão.”
(Itatiaia, 1999), pág. 43
_____________________
 
In a dark night
“Our tragedy consists in this: that although our reason may be capable of showing us clearly the futility of what we desire, we continue to desire it for the sake of the desire. Passion itself is our pleasure. Reason then becomes the instrument of passion. Its perverted function is to create idols –that is, fictions- to which we can dedicate the worship of love and hatred, joy and anguish, hope and fear.
From this servitude there is no natural deliverance. Reason itself, which has the power to free itself from passion, has in fact devoted itself in advance to the service of passion: and that is what we call original sin. It takes faith and grace, it takes the irruption into our life of the supernatural order, for the web of passion to be finally broken by our reason.”
Ascent to truth
(Harvest Book, San Diego, New York, London, 1981), p. 49

En una noche oscura
“Nuestra tragedia consiste en que aunque vemos claramente la futilidad de lo que deseamos, continuamos a desearlo por el mero deseo. La pasión es nuestro placer. La razón se torna el instrumento de la pasión. Su función pervertida es crear ídolos –o sea, ficciones- a los que podemos dedicar la adoración de amor y odio, alegría y angustia, a esperanza y miedo.
De este cautiverio no hay liberación natural. La misma razón, capaz de liberarse de la pasión, de hecho se dedicó de antemano al servicio de la pasión: ello es lo que llamamos pecado original. Son necesarias fe y gracia, es necesaria la irrupción en nuestra vida de lo sobrenatural para que la razón rompa la telaraña de la pasión.”
El ascenso a la verdad
Traducción – SAFTM - Brasil

12 junho 2017

Forças poderosas (parte 3 - final)

“Três coisas sobre o comunismo: 1º, suas técnicas são tremendamente eficazes, em certo sentido, Seu maquinismo é equipado para uma única função, uma única: apossar-se do poder. (...). A ideologia é tão flexível que pode mudar inteiramente da noite para o dia (...). Os Vermelhos têm o dom de fazer com que eles próprios acreditem no que querem.

O 2º fato sobre o comunismo: possui formidável ascendência sobre aqueles que de fato se dedicam a ele Há milhões que acreditam realmente no comunismo, que estão unidos atrás de seus chefes, por mais corruptos que sejam, e com a plena convicção de estarem certos e de tudo mais ser ilusão. (...)

Finalmente e mais importante: o comunismo voga a favor da corrente e já que estamos vivendo num tempo de mudanças caóticas, é muito mais fácil destruir do que sustentar aquilo que se mantém há séculos. Por conseguinte é bem mais fácil para o comunismo predizer vitórias e consegui-las pois são quase inteiramente destrutivas. Cada ‘vitória’ arrasta para o redil do comunismo novos milhões de pessoas desprotegidas que pouco ou nada têm a perder com a mudança, pois nada possuem em primeiro lugar. Não será coisa difícil angariar seus apoio entusiástico e instilar-lhes a convicção de que agora estão realmente ‘ganhando uma posição’.

Qual a posição do monge diante desta grande corrente destruidora?.”

(Itatiaia, 1962), pág. 41-43

05 junho 2017

Forças poderosas (parte 2)

“Atrás e para além da ação de forças criadas, humanas ou sobre-humanas, sabemos que a Suprema Sabedoria de Deus está trabalhando inexoravelmente, através desses agentes em luta uns contra os outros, para uma solução que transcende os interesses particulares de vários grupos ou porções da humanidade. O monge, oculto no Mistério de Cristo precisa ser de todos os homens o mais consciente da secreta ação da divina vontade. Com toda a certeza ele o será se for um homem de sacrifício, de coração puro, e um homem capaz de oração.”
(Itatiaia, 1962), pág. 41


_____________________

Powerful forces (part 2)
"Behind and beyond the workings of created forces, whether human or superhuman, we know that the Supreme Wisdom of God is working inexorably, through all these agents in combat with one another, for a solution that transcends the particularized interests of various groups and sections of the humankind. The monk, hidden in the Mystery of Christ, has to be, of all men, the most aware of the secret workings of the divine will. He will certainly be if he is a man of sacrifice, pure of heart, and a man capable of prayer."
The Monastic Journey
Translation – SAFTM - Brazil


Fuerzas poderosas (parte 2)
“Detrás y más allá de la acción de fuerzas creadas, humanas o sobrehumanas, sabemos que la Suprema Sabiduría de Dios está trabajando inexorablemente, a través de esos agentes en lucha unos contra otros, por una solución que trasciende los intereses particulares de varios grupos o sectores de la humanidad. El monje, oculto en el Misterio de Cristo, tiene que ser, de todos los hombres, el más consciente de la secreta acción de la voluntad divina. Seguramente lo será si es un hombre de sacrificio, de corazón puro y un hombre capaz de oración.”
El camino monástico
Traducción – SAFTM - Brasil

29 maio 2017

Forças poderosas (parte 1)

“A transformação por que passará o mundo não será apenas política. Na verdade é uma ilusão pensar que as forças que trabalham em nossa sociedade moderna são, sobretudo, políticas. Os grandes movimentos políticos atuais, tão complexos e tantas vezes aparentemente sem sentido, são a cortina de fumaça atrás da qual se desenrolam as manobras de uma guerra espiritual grande demais para ser travada pelos homens em qualquer plano humano. (...) Os políticos não passam de instrumentos de forças que eles próprios ignoram. São forças mais poderosas e mais espirituais do que o homem.”

Espiritualidade, contemplação e paz
(Itatiaia, 1962) pág. 41

___________________________________

Powerful forces (part 1)
“The transformation through which the world must pass will not be merely political. It is indeed an illusion to think that the forces that are at work in our modern society are, above all, political. The great political movements of our time, so complex and so often apparently so meaningless, are the smoke screen behind which are developing the evolutions of a spiritual war too great for men to wage by any human plan. (...)The politicians are only the instruments of forces that they themselves ignore. These forces are more powerful and more spiritual than man.”
The Monastic Journey
(ed. Sheed Andrews, 1977)

Fuerzas poderosas (parte 1)
“La transformación que vivirá el mundo no será únicamente política. En realidad, es una ilusión pensar que as fuerzas que actúan en nuestra sociedad moderna son antes que nada políticas. Los grandes movimientos políticos de hoy, tan complejos y a menudo aparentemente sin sentido, son la cortina de humo detrás de la cual se están desarrollando las maniobras de una guerra espiritual demasiado grande para que la libren los hombres en cualquier plano humano. (...)Los políticos no son más que instrumentos de fuerzas que ellos mismos ignoran. Se trata de fuerzas más poderosas y más espirituales que el hombre.”
Traducción SAFTM - Brasil

22 maio 2017

O caminho da contemplação

“Discernimento e renúncia (krisis e apátheia) são duas características da alma cristã madura. Não são ainda as marcas do místico, mas testemunham a passagem do estágio de principiante para entrar no caminho da contemplação.”

Ascensão para a verdade
(Itatiaia, 1999) pág. 29
___________________________________

The contemplation path
Discernment and detachment (krisis and apatheia) are two characters of the mature Christian soul. They are not yet the mark of a mystic, but they bear witness that one is travelling the right way to mystical contemplation and that the stage of beginners is passed.
The ascent to truth
(Burns & Oats, 1991) p.22

El camino de la contemplación
Discernimiento y desprendimiento (krisis y apatheia) son dos características del alma cristiana madura. Aún no son la marca del místico, pero dan testimonio de que se estácaminando por el camino correcto hacia la contemplación mística y que se dejó atrás la etapa de principiante.
Ascenso a la verdad 
Traducción SAFTM - Brasil

15 maio 2017

Eu vos dou a minha paz

“A paz trazida por Cristo não é uma fórmula de evasão individual nem de egoísta auto realização. Não pode haver paz no coração do homem que a procura para si só. Para encontrar paz verdadeira, a paz em Cristo, temos de desejar que os outros a tenham tanto quanto nós, e de estar dispostos a sacrificar algo de nossa paz e felicidade para que outros também as possam ter.”

Espiritualidade, contemplação e paz
(Itatiaia, 1962) pág. 105

___________________________________

I bring you my peace

“The peace which Christ brings is not a formula for individual escape, nor for egotistical self-fulfillment. There can be no peace in the heart of the man who seeks peace for himself alone. To find true peace, peace in Christ, we must desire others to have peace as well as ourselves, and we must be willing to sacrifice something of our own peace and happiness in order that others may have peace, and that others may be happy."
The Monastic Journey,
Cistercian Publication, 1977

Les doy mi paz
“La paz que trae Jesucristo no es una fórmula de evasión individual ni tampoco de autorrealización egoísta. No puede haber paz en el corazón del hombre que la busca para sí solo. Para encontrar la verdadera paz, la paz en Cristo, debemos desear que los demás la tengan tanto como nosotros y estar dispuestos a sacrificar algo de nuestra paz y felicidad para que otros puedan tener paz, para que otros sean felices.”

Traducción de SAFTM- Brasil

08 maio 2017

Eu e o Pai somos um

“Pela fé, Cristo se torna ‘poder de Deus’ em nossa vida. Somente pela fé podemos realmente aceitar o Cristo e a sua Igreja como sendo nossa salvação. Sem a fé, somos cristãos apenas de nome. Pertencemos à Igreja como uma instituição social, uma organização religiosa, mas não ao Corpo de Cristo, conformando-nos, de modo geral, às normas aceitas em relação ao comportamento cristão, não por amor a Deus nem com qualquer compreensão do sentido interior dessas normas; (...) Se a fé tem tão grande importância, qual será sua verdadeira natureza? Será apenas a aceitação intelectual de alguns dogmas escolhidos propostos à nossa crença pela autoridade da Igreja? É mais que isso (...) se, porém, for apenas isso, não será suficientemente profunda”.
(Herder, 1965), pág. 111 - 112

___________________________________

I and the Father are one
“By Faith Christ becomes the “power of God” in our lives. Only by Faith can we truly accept Christ and his Church as our salvation. Without faith, one is a Christian in name only. One belongs to the Church, not as to the body of Christ but as to a social institution, a religious organization, and one conforms to the generally accepted norms of Christian behavior not out of love for God, not with an understanding of their inner meaning (...). If faith is so important, what is its real nature? Is it merely the intellectual acceptance of a few selected dogmas proposed to our belief by the authority of the Church? It is more (...) but if it is only this, it does not go far enough.”

Life and Holiness
(Herder & Herder, 196e), p. 42

Yo y el Padre somos uno

“Por la fe, Cristo se torna ‘poder de Dios’ en nuestra vida. Sólo por la fe podemos realmente aceptar a Cristo y a su Iglesia como nuestra salvación. Sin la fe, somos cristianos únicamente de nombre. Pertenecemos a la Iglesia como institución social, organización religiosa, pero no al Cuerpo de Cristo, ajustándonos, por lo general, a las normas aceptadas en relación con el comportamiento cristiano no por amor a Dios o alguna comprensión del sentido interior de esas normas; (...) Si la fe tiene tan grande importancia, ¿cuál será su verdadera naturaleza?¿Se tratará solamente de la aceptación intelectual de algunos dogmas seleccionados que propone la autoridad de la Iglesia a nuestra creencia? Es más que eso (...) sin embargo, si a eso se limita, no será suficientemente profunda.”

Traducción SAFTM-Brasil

01 maio 2017

Eu Sou o pão da vida...

Cristo, neste admirável mistério, permanece entre nós como ‘alguém que não conhecemos’, vem ‘ao que é seu’ e, por vezes, é duro dizê-lo, até ‘os seus não o recebem’. Se, contudo, estudarmos o que nossa fé nos ensinou sobre a Sagrada Eucaristia, haveremos de apreciar cada vez mais a verdade de que esse é, de fato, o Pão Vivo e o ‘Pão de Deus que desceu do céu e dá vida ao mundo’ (Jo 6,33).

O pão vivo
(Vozes, 1963) pág. 14

___________________________________
 
I am the Bread of Life
Christ, in this admirable mystery, remains in the midst of us as “one we know not.” He “comes unto his own,” and sometimes it is all too true to say that even “His own do not receive him.” But if we study what our faith teaches us about the Blessed Eucharist, we will appreciate more and more the truth that this is indeed the Living Bread, the “Bread of God which comes down from heaven and gives life to the world” (John 6:33). 
The living bread (Farrar, Straus & Giroux, Nova York, 1955) p.xi.

Yo soy el Pan de Vida
En este admirable misterio, Cristo permanece en medio de nosotros como “uno a quien no conocemos”. “Viene a los suyos” y a veces resulta demasiado cierto que incluso “los suyos no lo reciben”. Pero si estudiamos lo que nuestra fe nos enseña sobre la Santa Eucaristía, apreciaremos cada vez más cuán cierto es que éste es el Pan Vivo, el “Pan de Dios que bajó del cielo y da la vida al mundo.” (Io, VI:33)

El pan vivo (Scribb, Madri, 1957) p. 9.

24 abril 2017

Ide... anunciai

“O movimento monástico precisa de líderes vindos da nova geração. Esses novos líderes tem de ter a paciência de submeter-se à formação e ao teste, sem o que a capacidade deles não pode ser provada. Ninguém confiará na liderança de pessoas que nunca tiveram que sofrer coisa alguma e nunca enfrentaram os problemas da vida em toda a sua amarga seriedade. Os jovens não devem estar demasiadamente dispostos a desistir por desespero. Tem eles uma obra a realizar! Felizmente existem forças criadoras em ação.”

Contemplação num mundo de ação
(Vozes, 1975) pág. 39

___________________________________

Go and announce
“The monastic movement needs leaders who must come from the new generation. These must have the patience to undergo the testing and formation without which their ability cannot be proved. No one will entrust himself to the guidance of men who have never had to suffer anything and who have never really faced the problems of life in all their bitter seriousness. The young must not be too ready to give up in despair. They have work to do! Fortunately there are creative forces at work!”
Thomas Merton, Selected Essays, Patrick F. O’Connell (ed.).
Orbis Books, Maryknoll, Nova York (2013). 

Id y anunciad
“El movimiento monástico necesita a líderes que vengan de la nueva generación. Deben tener la paciencia de pasar por las dificultades y la formación sin las cuales no puede probarse su capacidad. Nadie se confiará a la orientación de personas que jamás tuvieron que sufrir nada y nunca afrontaron los problemas de la vida en toda su áspera seriedad. Los jóvenes no deben perder la esperanza y desistir con demasiada facilidad. ¡Tienen un cometido que cumplir! Afortunadamente, hay fuerzas creadoras en acción.”

17 abril 2017

Voltou-se e exclamou "Rabuni"

“Ressuscitando dentre os mortos, Jesus nada perdeu da sua humanidade. Ascendendo à glória, ao inacessível mistério da divindade, que é o seu trono, não cessou de nos amar com a mesma ternura humana, a mesma plenitude que S. João descreve com três simples palavras: ‘até o fim’.”

O pão vivo 
(Vozes, 1963), pág. 37
  
__________________
Heturned and exclaimed "Rabuni"!
In rising from death, Jesus lost nothing of His humanity. Ascending in glory into the inaccessible mystery of the Godhead, His throne, He did not cease to love us with the same human tenderness and completeness that St. John describes in three simple words: “unto the end.

Se dio vuelta y exclamó: "¡Rabuni!"
“Al resucitar de entre los muertos, Jesús no perdió nada de su humanidad. As ascender gloriosamente hasta el inaccesible misterio de su divinidad, su trono, no cesó de amarnos con la misma humana ternura y perfección que San Juan describe con en tres sencillas palabras: “hasta el fin.”

10 abril 2017

Como posso conhecer a vontade de Deus?

Mesmo onde não há uma exigência mais explícita em relação à minha obediência, como seria no caso de uma ordem ou de um mandamento legítimos, a própria natureza de cada situação geralmente traz consigo alguma indicação da vontade de Deus. Pois tudo que é exigido pela verdade, pela justiça, pela misericórdia, ou pelo amor, deverá certamente ser tido como vontade de Deus.
 
(Fissus, 2001) pág. 27

03 abril 2017

Até quando hei de aturar-vos?

21 de maio de 1940
Nova York
“Dizem que enquanto os alemães estavam profanando uma igreja, em certa localidade da Polônia, um sargento alemão, enfunado pelo espetáculo excitante, plantou-se diante do altar e berrou: se acaso Deus existe, prove Sua existência liquidando, ali mesmo, um sujeito tão arrogante, importante e tremendo como era ele. Deus não o liquidou. O sujeito saiu dali muito agitado e sentindo-se provavelmente o homem mais infeliz do mundo: Deus não tinha agido como um Nazista. Deus não era de fato Nazista e a Justiça de Deus (que todo o mundo conhece obscuramente, no fundo da alma, por mais que não consiga exprimi-la) é substancialmente diversa da brutal e sanguissedenta vingança dos Nazistas.

Deus de acordo com a Sua impenetrável Vontade, liquida, de vez em quando, um louco dessa espécie. Mas quem foi morto na cruxifixão de Cristo? A Paixão e a Ressureição de Cristo são maiores do que todo milagre que possamos imaginar. A transubstanciação do pão e do vinho no Corpo e no Sangue de Cristo é muito mais milagrosa do que a execução, por Deus, daquele que comete um sacrilégio contra o Santíssimo Sacramento. É qualquer coisa de muito maior, de mais aterrorizador que Cristo, no Sacramento, se deixe submeter a um sacrilégio.

Ninguém foi fulminado no Calvário. Os céus se abriram, rasgou-se o véu do templo e a terra estremeceu. Tudo, porém para os homens de pouca fé. E quem de nós não pertence a este número? Quem foi, entretanto, o fulminado? Os Fariseus? Foi um raio que fulminou Judas ou foi ele que se enforcou a si mesmo?
O fato mais terrível que ocorreu no Calvário não foi a terra ter estremecido até seus fundamentos, e sim aquele grito do Filho de Deus: ‘Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?’”

(Vozes, 1961), pág. 97-98

27 março 2017

Pega tua cama e anda

“O Deus vivo, o deus que é Deus e não a abstração de um filósofo, ultrapassa infinitamente tudo o que nossos olhos podem ver ou nosso espírito compreender.”
(Fissus, 2002), pág. 133

20 março 2017

Setenta vezes sete

“Deus deixou no mundo o pecado, para que fosse possível o perdão; não somente esse perdão secreto pelo qual Deus nos purifica a alma, mas também o perdão manifesto pelo qual exercemos uns com os outros a misericórdia, dando com isso expressão ao fato de que Deus vive, por sua misericórdia, nos nossos corações.”
(Agir, 6ªEd. 1976), pág. 176

__________________

Seventy times seven
God left sin in the world in order that there may be forgiveness; not only the secret forgiveness by which He Himself cleanses our souls, but the manifest forgiveness by which we have mercy on one another and so give expression to the fact that He is living, by His mercy, in our own hearts.
No man is an island
(ed. HarcourtBrace, Orlando, 1983, p. 229)

Siete veces siete
Dios ha dejado el pecado en el mundo a fin de que pueda haber perdón: no solamente el perdón secreto por el cual Él purifica nuestra alma, sino el perdón manifiesto por el cual tenemos misericordia unos de otros y manifestamos de esta manera que Él vive, por Su misericordia, en nuestro corazón.
Los hombres no son islas
(ed. Sudamericana, 1956)

13 março 2017

E quem se humilha, será exaltado

“Se não formos capazes de humildade, não teremos capacidade para a alegria, pois só a humildade consegue destruir o egocentrismo que torna a alegria impossível.”
(Fisus, 1999), pág. 180

__________________

And he that humbleth himself shall be exalted
If we are incapable of humility, we would be incapable of joy, because humility alone can destroy the self-centeredness that makes joy impossible.
New seeds of contemplation, ed.New Directions
Paperbook, 27ª ed., 1972, p.197.

Y el que se humilla será ensalzado

Si somos incapaces de ser humildes, no podremos vivir en la alegría, porque sólo la humildad es capaz de destruir el egocentrismo que impossibilita la alegría.
 Nuevas semillas de contemplación,
ed. Sal Terrae

06 março 2017

Quando orardes, não useis de muitas palavras

“A oração é inspirada por Deus nas profundezas do nosso nada. Ela é o movimento de confiança, gratidão, adoração, ou pesar, que nos coloca diante de Deus, vendo tanto a Ele como a nós mesmos à luz da sua verdade infinita, e nos move a pedir-Lhe a misericórdia, a força espiritual, o auxílio material de que todos precisamos.”
(Agir, 6ª Ed. 1976) pág. 56

__________________
In praying, do not keep on babbling
“Praying is inspired by God in the depth of our own nothingness. It is the movement of trust, of gratude, of adoration, or of sorrow that places us before God, seeing both Him and ourselves in the light of his infinite truth, and moves us to ask Him for the mercy, the spiritual strength, the material help that we all need.” 
No man is an island
ed. HarcourtBrace, Orlando, 1983
Cuando oréis, no multipliquéis las palabras

“La oración la inspira Dios en la profundidad de nuestra insignficancia. Es el movimiento
de la confianza, la gratitud, la adoración y el arrepentimiento que nos pone ante Dios, viéndole a Él y viéndonos a nosotros mismos a la luz de Su verdad infinita; es el impulso que nos mueve a pedirle misericordia, fortaleza espiritual, ayuda material que necesitamos.”
Los hombres no son islas
ed. Sudamericana, 1956