26 fevereiro 2007

O ascetismo cristão

“ O ascetismo cristão é notável sobretudo por seu equilíbrio e senso de proporção. Não acentua excessivamente o lado negativo da vida ascética, nem tende a lisonjear o ego, diminuindo-lhe as responsabilidades, diluindo a verdade. Mostra-nos claramente que, embora nada possamos fazer sem a graça, devemos, contudo, com ela cooperar. Adverte-nos que devemos romper, de forma inegociável, com o mundo e tudo o que ele representa, mas nos encoraja sempre a entender que nossa existência ‘no mundo’ e no tempo se torna frutuosa e tem sentido na medida em que somos capazes de assumir a responsabilidade espiritual e cristã por nossa vida, nosso trabalho e até pelo mundo em que vivemos. Assim, o ascetismo cristão não nos fornece uma fuga do mundo, um refúgio contra o estresse e as distrações provenientes das múltiplas formas do mal. Torna-nos capazes de penetrar na confusão do mundo como portadores de algo da luz da Verdade em nossos corações, e habilita-nos a exercer algo do misterioso e transformador poder da Cruz, do amor e do sacrifício.”

Seasons of Celebration, de Thomas Merton
(Farrar, Straus and Giroux, New York), 1965. p. 131-132
No Brasil: Tempo e Liturgia, (Editora Vozes, Petrópolis), 1968. p. 135-136

Reflexão da semana de 26-02-2007

Um pensamento para reflexão: “O Espírito Santo jamais pede que renunciemos a algo sem oferecer-nos em troca algo muito mais elevado e perfeito. A autopunição por amor ao castigo não faz parte do cristianismo. A finalidade da abnegação é levar-nos a um aumento positivo de energia e de vida espirituais. O cristão não morre simplesmente para morrer, mas sim para viver.”
Tempo e liturgia, Thomas Merton

2 comentários:

Cristovao Junior disse...

A Quaresma nos faz voltar àquele tempo de maior dedicação a escuta da Palavra. Somos bombardeados por uma mensagem sutil e simples que nos pede a conversão do coração. Esforçemo-nos por agradar ao Senhor, esperemo-nos interiormente sem nos cansares, procuremo-nos por meio dos pensamentos, temos que exercer violência sobre nossa vontade e decisões, dominando-as para que tendam continuamente para Ele.

Christian Rocha disse...

Vosso blog é muito bom. Eu buscava informações sobre Thomas Merton e escritos do mestre e encontrei este blog, prontamente adicionado aos bookmarks.

Siga adiante com o bom trabalho.

Abraços.