25 fevereiro 2014

As coisas como elas são

“É quando não desejamos as coisas deste mundo por elas mesmas, que ficamos aptos a vê-las como são realmente. Vemos ao mesmo tempo a sua bondade e a sua finalidade e nos tornamos capazes de apreciá-las como nunca antes. (…) Pois que disse Jesus: 'Procurai, primeiro o reino de Deus e a Sua justiça, e todas as coisas [isto é, tudo de que precisardes para a vossa vida na terra] vos serão dadas em acréscimo' (Mt 6,33).

Homem Algum é uma Ilha, Thomas Merton (Verus Editora, Campinas), 2003. p. 28

Um comentário:

Fernando Paiser disse...

Acho isso tão válido não só para "coisas" mas também para "pessoas". Mas isso não significa que desapegar-se de pessoas é deixar de ama-las. Muito pelo contrário, quando nos desapegamos, podemos, como disse Merton, vê-las como realmente são. E poderemos assim ama-las mais. Porém é preciso deixar que os mortos enterrem seus mortos. (cf. Mt 8, 22)