06 fevereiro 2006

Silêncio criativo

“ Há um eu silencioso dentro de nós cuja presença é perturbadora precisamente por ele ser tão silencioso: não pode ser falado. Tem de permanecer silencioso. Articulá-lo, verbalizá-lo, é adulterá-lo e, de certa forma, destruí-lo.

Agora enfrentemos francamente o fato de que a nossa cultura está direcionada, de muitas maneiras, para ajudar-nos a escapar de qualquer necessidade de enfrentar esse eu interior, silencioso. Vivemos em um estado de constante semi-atenção ao som de vozes, música, tráfego ou ao ruído generalizado do que acontece ao nosso redor o tempo todo. Assim ficamos imersos em um dilúvio de barulho e palavras, um meio difuso em que nossa consciência quase se dilui: não estamos realmente “pensando”, não reagimos de todo: estamos mais ou menos ali. Não estamos totalmente presentes, nem inteiramente ausentes; não totalmente ausentes, e, contudo, não completamente disponíveis. Não se pode dizer que participemos realmente de nada, e, de fato, podemos ser meio conscientes de nossa alienação e ressentimento. No entanto, tiremos uma certa comodidade da vaga sensação de fazermos “parte” de algo – embora não consigamos definir ao certo o que é esse algo – e provavelmente não queiramos defini-lo nem se isto nos for possível. Apenas nos deixamos flutuar no barulho geral. Resignados e indiferentes, participamos semiconscientemente da mente ausente da música de sala de espera e comerciais de rádio que são apresentadas como ‘realidade’.”


Thomas Merton: Essential Writings
Seleção e apresentação de Christine M. Bochen
(Orbis Books, Maryknoll, New York), 2000, p. 74-75
Publicado originalmente in Love and Living, de Thomas Merton
Editado por Naomi Burton Stone e Patrick Hart,OCSO
(Farrar, Straus & Giroux, New York), 1979, p. 38-43
No Brasil: Amor e Vida, de Thomas Merton
(Martins Fontes Editora, São Paulo), 2004, p. 40-48
Reflexão da semana de 7-02-2006

3 comentários:

Manuel Juan disse...

O silencio. Merton penetra na essencia deste estado tão necessario ao perfeito entendimento da realidade

Anônimo disse...

Creio que alguns idosos chegam a esse estado de silêncio, por contingência da vida, das relações, da exaustão de alguns convívios sociais.Porém, podem ser reintegrados à uma vida de silêncio contemplativo, se usarem das suas tarefas, um meio de se comunicar silenciosamente com Deus, pela meditação do seu objeto trabalhado, em conecção com o Criador. Thomas Merton fala sobre isso num dos seus livros: " A vida Silenciosa";parece-me ser esse o título. Expõe a mística da arte bem feita em alguns Mosteiros.Coisa que nós podemos copiar em nossos atelliers, caso tenhamos esse tipo de trabalho. Então, nossa solidão e silêncio pode ser transformada em anseio de vida contemplativa com Deus!
Anônima SF

Anônimo disse...

Senhor, daí-nos o dom do Silêncio!